Categoria

    costela

    a refeição em família, almoço, ana maria braga, concurso, costela, dia dos pais, massas, pratos tradicionais, promoções, receitas, sobremesas

    Melhores Receitas Brasileiras – Nhocão recheado e Costela na cerveja

    Esses dias recebemos um convite daqueles irrecusáveis. A Editora Agir nos propôs experimentar, junto a alguns amigos, receitas do novo livro da Ana Maria Braga, As 101 Melhores Receitas Brasileiras. Amamos comidinhas bem brasileiras, amamos reunir pessoas, amamos convites irrecusáveis. Então o resultado dessa deliciosa experiência você confere a seguir. E pra unir o agradável ao agradável, fizemos essas receitas no dia dos Pais, e convidamos aparentaiada.

    Continue lendo
    costela, harmonização, malbec

    Vinho & Mesa :: Costela suína e um malbec "original"

    No tempero foi usado limão China, companheiro indispensável da costela suína.
    Quem é carnívoro dificilmente rejeita uma =&0=&. Aqui em nossa região é um prato tradicional que costuma acompanhar as outras criações da culinária mineira.Pra escrever essa coluna pedi à =&1=&, minha esposa, para fazer uma costela porque eu queria harmonizá-la com um tinto espanhol da uva =&2=&. Em alguns livros as carnes suínas e seus derivados (inclusive embutidos) são a companhia ideal para esses vinhos, porque não são muito tânicos, tem acidez moderada e sua passagem por madeira deixa o vinho amigável, não deixando que “atropele” o prato que tem lá sua delicadeza de sabores.Aqui em casa já fizemos várias harmonizações que foram muito boas, com Merlot brasileiro, com um ótimo Bordeaux recentemente publicado no meu blog (veja aqui) e hoje a ideia era tentar a clássica combinação com a Tempranillo.

    Mas, de última hora resolvi mudar o vinho e tentar um Malbec que estava na adega. Mas, não um argentino, que costuma ser rico em cor, em aromas frutados, taninos e álcool. É um Malbec vindo da  França, mas especificamente da região de Cahors, no sudoeste do país, vizinha de Bordeaux. Essa região é o “berço” da Malbec, que só veio para nosso vizinho na metade do século XIX.

    Continue lendo